Login to your account

Username *
Password *
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name *
Username *
Password *
Verify password *
Email *
Verify email *
Captcha *
Reload Captcha

Nem sempre é preciso ter um desempenho melhor que dezenas de outros candidatos para entrar em uma das melhores instituições do país.

Se o seu sonho é estudar na USP, na Unicamp ou em outra universidade de ponta do país, mas desanima em entrar na disputa pelos cursos mais concorridos, talvez encontre entre as graduações menos populares uma opção interessante – e fácil.

Abaixo listamos as dez melhores universidades públicas do Brasil (segundo o Ranking Universitário Folha 2017) e seus cursos menos procurados. A temida matemática e carreiras relacionadas ao meio ambiente figuram entre aquelas com menor relação candidato-vaga em mais de uma instituição.

1. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Curso: Engenharia de bioprocessos
Candidato/ vaga: 9,15

2. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Curso: Tecnologia em saneamento ambiental (integral)
Candidato/ vaga: 3,2

3. Universidade de São Paulo (USP)
Curso: Licenciatura geociências e educação ambiental
Candidato/ vaga: 1,54

4. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Curso: Matemática computacional
Candidato/ vaga: 7,9

5. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Curso: Bacharelado interdisciplinar em ciência e tecnologia – campus Litoral
Candidato/ vaga: 0,60

6. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Curso: Licenciatura em matemática (diurno) – Blumenau
Candidato/ vaga: 0,96

7. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
Curso: Licenciatura em matemática (matutino) – Presidente Prudente
Candidato/ vaga: 1

8. Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Curso: Licenciatura em computação (matutino) – campus Jandaia
Candidato/vaga: 0,25

9. Universidade de Brasília (UNB)
Curso: Licenciatura em ciências naturais (noturno) – campus Planaltina
Candidato/vaga: 0,95

10. Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Curso: Letras espanhol
Candidato/vaga: 7

Dados recentes
Os dados são os mais recentes disponibilizados pelas instituições (2016/2017) e excluem cursos que exigem habilidades específicas, como música e artes visuais.

Quando a instituição que utiliza o Enem/ Sisu – Sistema de Seleção Unificada não consolidou os números de todas as modalidades de inscrição – ampla concorrência, cotas e ação afirmativa –, foi utilizada a relação candidato-vaga em ampla concorrência, 1ª opção.

Fonte: Veja

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tem como missão identificar e reconhecer práticas culturais diversas para fortalecer identidades, garantindo o direito à memória e contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico do País. As religiões em si não são passíveis de tombamento ou registro. Entretanto, o Iphan reconhece expressões culturais relacionadas a diversas religiões e instituições de cultura que atuam na preservação de lugares e práticas culturais relacionadas às religiões.

Respaldado pelo institutos do tombamento (Decreto-Lei 25/37), inventários e registros (Decreto 3.551/2000), a atuação do Iphan está pautada no reconhecimento de bens de natureza material e imaterial.

Em relação aos bens materiais, considera "coisas móveis ou imóveis" de excepcional valor histórico, arquitetônico, entre outros, por meio do tombamento, cujos efeitos legais de proteção recaem sobre o aspecto da materialidade do bem. Há vários exemplos deste tipo de tombamento relacionado ao universo da religião, tais como terreiros de Candomblé e diversas igrejas católicas.

Já no campo do patrimônio imaterial, o registro é um instrumento legal de preservação, reconhecimento e valorização do patrimônio imaterial do Brasil, composto por bens que contribuíram para a formação da sociedade brasileira. Esse instrumento se refere a celebrações, lugares, formas de expressão e saberes, conhecimentos e técnicas que os grupos sociais reconhecem como parte integrante do seu patrimônio cultural. O Brasil já registrou práticas culturais de matriz africana, indígena e católica, a exemplo do Tambor de Crioula no Maranhão, Círio de Nazaré, Ritual Yaokwa dos Índios Enawene Nawe no Mato Grosso, Festas do Divino de Pirenópolis (GO) e Paraty (RJ), Lavagem do Bonfim, dentre outras, e ainda de práticas de matriz africana, como a Capoeira, o Ofício de Baiana, o Jongo no Sudeste, o Samba de Roda do Recôncavo e tantos outros.

Fonte: Ministério da Cultura

Um local de resistência e de importância histórica será palco de eventos que comemoram o Dia da Consciência Negra (20 de novembro). A Serra da Barriga, em Alagoas, que no passado abrigou o Quilombo dos Palmares, receberá certificação como Patrimônio Cultural do Mercosul no próximo dia 11. No período, estão programadas diversas atividades relacionadas à data, frutos de parcerias entre o Ministério da Cultura (MinC), a Fundação Cultural Palmares (FCP), o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Governo de Alagoas e outras instituições públicas e da sociedade.

Ainda no dia 11, autoridades estarão presentes e farão uma visita guiada ao Parque Memorial Quilombo dos Palmares. Também haverá encenação feita com artistas locais, que farão um show aberto à comunidade. Implantado em 2007, em um platô no alto da Serra da Barriga, o parque recria o ambiente da República dos Palmares, maior e mais organizado refúgio de negros das Américas durante o período escravocrata. O quilombo também abrigou índios e brancos. O local reconstitui algumas das mais significativas edificações do Quilombo dos Palmares. Com paredes de pau a pique, cobertura vegetal e inscrições nos idiomas banto e iorubá, avista-se o Onjó de farinha (Casa de farinha), o Onjó Cruzambê (Casa do Campo Santo), o Oxile das ervas (Terreiro das ervas), as ocas indígenas e a Muxima de Palmares (Coração de Palmares).

O Iphan tem a atribuição de representar o governo brasileiro na Comissão de Patrimônio Cultural do Mercosul, sendo responsável pela ampliação da representatividade dos bens brasileiros reconhecidos como de importância para a integração cultural latino-americana. Atualmente, o Brasil possui três bens declarados Patrimônio Cultural do Mercosul: Ponte Internacional Barão de Mauá, localizada em Jaguarão, no Rio Grande do Sul, e Rio Branco, no Uruguai; as Missões Jesuíticas Guarani, como bem transfronteiriço envolvendo Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia; e o recente reconhecimento da Serra da Barriga, localizada no município de União dos Palmares (AL).

A Serra da Barriga, bem nacional acautelado pelo Iphan desde 1986, foi declarada Patrimônio Cultural do Mercosul dentro da temática de identificação cultural dos Cumbes, Quilombos y Palenques, juntamente com a Cimarronaje Cultural: el Patrimonio Cultural Inmaterial del Pueblo Afrodescendiente en el Ecuador, como proposta de integração da contribuição dos povos de origem africana na construção cultural da América do Sul. A Fundação Cultural Palmares desempenhou um papel ativo na campanha pelo reconhecimento da Serra da Barriga como Patrimônio Cultural do Mercosul. Um dos frutos desse trabalho é um dossiê que destaca a importância histórica e cultural da candidatura. O documento será apresentado à sociedade durante as comemorações do Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, na Serra da Barriga.

O bem foi aprovado após a XIV Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural (CPC) do Mercosul, na presidência pro tempore da Argentina, após candidatura apresentada pelo Iphan. O título, além de contribuir para o reconhecimento dos indivíduos e suas comunidades de matrizes africanas no continente americano e nos países da região, representa também uma reparação às perseguições e à intolerância praticadas e reveladas por meio dos quilombos. Esses refúgios de negros perseguidos por séculos são reconhecidos como testemunhos da resistência e dos processos de ressignificação das referências culturais dos afrodescendentes na construção das identidades da América, em especial aos países do Mercosul.

Tal reconhecimento posiciona a Serra da Barriga, em União dos Palmares, assim como o estado de Alagoas, como local de referência à memória e à integração cultural dos países que compõem o bloco sul-americano. Por essa razão, Maceió, capital alagoana, foi a cidade escolhida para sediar os eventos relacionados ao Mercosul Cultural – XV Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural, V Reunião do Comitê de Patrimônio e Turismo (Compat) e I Reunião Técnica Especializada em Turismo, conjuntamente com a Compat.

O reconhecimento internacional da Serra da Barriga representa um compromisso do país envolvendo especialmente a União, o Governo de Alagoas, assim como a sociedade civil, na proteção, conservação, promoção e gestão do bem.

XV Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural do Mercosul

Antes, no dia 8, o Teatro Marechal Deodoro (Centro de Alagoas) receberá convidados e autoridades, bem como os representantes dos países que compõe o Mercosul Cultural, em evento de boas-vindas com apresentações artísticas sobre o patrimônio cultural imaterial de matriz africana de Alagoas. A noite contará também com a exibição de um vídeo do programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil. A atração será exibida no dia 23 em novembro, às 22h. Trata-se de uma matéria sobre a Serra da Barriga, em homenagem ao Dia da Consciência Negra e o reconhecimento como Patrimônio Cultural do Mercosul. O especial destaca imagens da região, depoimentos de moradores e entrevistas.

Entre os dias 9 e 10, será realizada a XV Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural (CPC) do Mercosul, na Associação Comercial de Alagoas (Rua Sá e Albuquerque). Delegados dos países participantes discutirão as políticas de integração cultural dos países envolvidos, assim como o reconhecimento, a promoção e a valorização dos bens culturais comuns. A CPC é a instância técnica que antecede a Reunião de Ministros da Cultura dos países do bloco, na qual os assuntos tratados nessa comissão são deliberados. Apresentação do Plano de Gestão da Serra da Barriga como Patrimônio Cultural do Mercosul e caracterização do bem Sistema Cultural da Erva-Mate e critérios para aprovação da CPC na sua postulação são alguns dos temas que serão abordados no encontro, bem como a proposta de certificação de destinos patrimoniais.

Por fim, no dia 20, será lançada a publicação do dossiê de candidatura da Serra da Barriga ao título de Patrimônio Cultural do Mercosul. Na ocasião, haverá instalação do Comitê Gestor da Serra da Barriga e a apresentação do dossiê sobre sua candidatura ao Patrimônio Cultural do Mercosul.

Fonte: Ministério da Cultura